Um sonho de pijama por José Veiga de Faria - História 23 (Parte 2)
Contos de 3º Grau - História 23
Publicado a 06 de Dezembro de 2017

Um sonho de pijama por José Veiga de Faria - História 23 (Parte 2)

Contos de 3º Grau - História 23

Clube de Matemática SPM

Facebook Clube SPM

Título: Um sonho de pijama


                  


Episódio I por José Carlos Santos - Dia 1


A Joana começou a reparar que havia algo de errado com o Alberto. Não o tempo todo, mas ao deitar-se e ao acordar. Enquanto que normalmente o Alberto adormecia rapidamente, nos últimos tempos ela sentia-o a dar voltas na cama antes de, finalmente, acalmar. E, de manhã, via-o sempre a acordar ou de sobrolho franzido ou com um ar perplexo. Ela sabia por experiência que, com o Alberto, era melhor deixá-lo fazer perguntas do que ser ela a averiguar o que se passava («interrogatório» era o temo usado pelo Alberto para descrever quase qualquer pergunta dela) mas acabou por não resistir e fez levantou timidamente o problema. Para seu espanto e alívio, o Alberto mostrou-se disposto a pô-la a par do que se passava. 
— Já há bastante tempo que tenho estes sonhos muito vivos — disse o Alberto. — Como sabes, durante muitos anos era raríssimo lembrar-me dos meus sonhos, mas agora lembro-me quase todas as manhãs. São sonhos muito diferentes e alguns até são pesadelos, mas têm duas coisas em comum. A primeira é que são sonhos muito realistas: passam-se sempre em locais e com pessoas que conheço. A segunda é que me faz confusão. — Fez uma pausa e depois acrescentou, com um ar um bocado embaraçado — É que em todos eles há alguém que está de pijama.


Episódio II por José Veiga de Faria - Dia 6


- Alguém que está de pijama!?... Joana ficou a refletir. Da análise de sonhos só sabia o que tinha apreendido nas conversas com a sua amiga e muito atraente vizinha Rita, que era uma reputada jovem psicóloga. Duas coisas básicas sabia: que o facto de começar a recordar sonhos significava que elementos ansiogénicos tinham perdido parte da sua carga de ansiedade, e que o aparecimento de elementos repetitivos significava que algo de perturbador, reprimido no sótão do inconsciente, estava a tentar, embora disfarçado, entrar em cena.
- Andas muito agitado, disse ao Alberto, enquanto pensava falar com a Rita logo que tivesse oportunidade. Tenta relaxar e repousar, vai dar um passeio a pé, acrescentou na expectativa de que ele se ausentasse.
Quando o Alberto saiu, Joana correu para tocar na porta da amiga. 
Quando ela abriu, muito sorridente, Joana ficou atónita... Rita tinha vestido um pijama como o Alberto tinha descrito, com porcos voadores!!!...


Episódio III por Sílvio Gama - Dia 11


Episódio IV por Carlos Marinho - Dia 16


Episódio V por Gonçalo F. Gouveia - Dia 21


Episódio VI por José Carlos Pereira - Dia 26

 


FIM